Topo
Blog Página Cinco

Blog Página Cinco

Com “adversidade no DNA” e aposta em canadense, Ferréz lança editora de HQs

Rodrigo Casarin

05/07/2019 10h17

Tem editora nova de quadrinhos na área: a Comix Zone, que chegará oficialmente ao mercado no dia 21 de julho com o a graphic novel "A Canção de Roland", do canadense Michel Rabagliati, até então inédito no Brasil. O trabalho levou, em 2010, o prêmio do público no Festival de Angoulême, um dos mais importantes das HQs. O título já está em pré-venda e sairá com uma tiragem de 2000 exemplares.

O youtuber Thiago Ferreira e o escritor Ferréz são as cabeças por trás da editora. Thiago vive no Canadá há nove anos e comanda o Comix Zone, canal especializado em HQs que dá nome à iniciativa. Já Ferréz é uma das referências da literatura marginal no Brasil, autor de livros como "Capão Pecado" e "Manual Prático do Ódio", e assumido fã de quadrinhos – lançou duas graphic novels em parceria com Alexandre De Maio, inclusive: "Desterro" e "Os Inimigos Não Mandam Flores".

"A principal meta é publicar HQs que fujam do lugar-comum e carreguem uma mensagem edificante", conta Ferréz, que propôs a parceria a Thiago depois que viu seu hoje sócio falando que gostaria de montar uma editora em um de seus vídeos no Youtube. "Eu já estava com essa ideia na cabeça, aí, quando vi que ele também tinha essa vontade, peguei o telefone e alinhamos tudo por WhatsApp".

Desde 2009 Ferréz também administra o Selo Povo, que está prestes a lançar o livro "My Way – A Periferia de Moicano", de Valo Velho, sobre o movimento punk em São Paulo. Na entrevista ao blog, o escritor comentou a decisão de iniciar uma nova empreitada num momento em que o mercado editorial não para de apresentar números desanimadores. "Nunca liguei pra essa coisa de ruim ou bom. Quem vem da periferia nunca viu nada bom. Então, a adversidade também faz parte do nosso DNA. Adoro desafios e creio que tem sempre uma oportunidade em meio a tantas adversidades. E, acima de tudo (não o jargão do Bolsonaro), fazer por amor e porque precisa ser feito".

Quem escolheu o título de estreia da editora foi Thiago, que se apaixonou pelo trabalho de Rabagliati assim que se mudou para o Canadá. "Em 2010, descobri os quadrinhos dele e imediatamente ele se tornou um dos meus autores favoritos. Ele tem uma sensibilidade ímpar. É capaz de abordar temas do cotidiano como ninguém. Desde que abri o canal, em 2015, venho a cada oportunidade indicando esse cara. Já cheguei a recomendar diretamente para outras editoras, mas ninguém se interessou. Então, quando surgiu a ideia da gente montar a nossa editora, imediatamente me veio à mente o trabalho dele. 'A Canção de Roland' é seu álbum mais famoso, inclusive virou filme ['Paul à Québec'] há dois anos", conta.

Livro com pegada autobiográfica, em "A Canção de Roland" acompanhamos o quadrinista Paul, batizado pela mídia como "Tintin do Quebec", em uma jornada sobre perda e a importância da família. Como pano de fundo, questões políticas canadenses, como os movimentos de independência de Quebec (causa foi derrotada em um referendo em 1995), também são traçadas.

A Comix Zone apostará na Amazon para fazer com que seus livros chegue a leitores de todo o país. "Ter uma parceira desse tamanho nos dá impulso pra arriscar mais capital. Podermos entrar de cabeça num negócio que, a princípio, tem cauda muito longa. E vamos distribuir em várias comic shops e livrarias dedicadas a HQs. Somos admiradores das lojas de quadrinhos e isso pra nós é fundamental", comenta Ferréz. A promessa é que ainda este ano a editora coloque na praça mais dois ou três livros de "autores inéditos e bem fora da curva".

Veja algumas páginas de "A Canção de Roland" (clique nas imagens para ampliá-las):

Você pode me acompanhar também pelo Twitter, pelo Facebook e pelo Instagram.

Sobre o autor

Rodrigo Casarin é jornalista pós-graduado em Jornalismo Literário. Vive em São Paulo, em meio às estantes com as obras que já leu e às pilhas com os livros dos quais ainda não passou da página 5.

Sobre o blog

O blog Página Cinco fala de livros. Dos clássicos aos últimos sucessos comerciais, dos impressos aos e-books, das obras com letras miúdas, quase ilegíveis, aos balões das histórias em quadrinhos.