Topo
Blog Página Cinco

Blog Página Cinco

Brutalidade, guerra na Síria e China moderna: 3 HQs que merecem sua leitura

Rodrigo Casarin

05/09/2018 10h36

Faz algum tempo que não falo de HQs por aqui. Como a minha pilha de boas histórias para indicar começou a tomar um tamanho preocupante, resolvi fazer essa lista com três sugestões de livros lidos neste ano que merecem a atenção de qualquer um que curta quadrinhos. São esses:

"A Terra dos Filhos" (Veneta), de Gian Alfonso Pacinotti, o Gipi, quadrinista italiano de destaque. A história se passa num tempo em que a Terra – ou a região do planeta na qual a narrativa está ambientada – se transformou num ambiente completamente hostil, tanto que são poucos os que ainda sobrevivem por ali. Nesse espaço nada acolhedor, um pai busca educar seus filhos com uma única preocupação: que sejam duros o suficiente para garantir a própria existência. É uma HQ que comove pela brutalidade dos diálogos, pelos silêncios, pelas hostilidades muitas vezes desnecessárias – ao menos aparentemente – e pelo modo como os garotos procuram entender qual é, de fato, o mundo em que estão e o que está oculto no passado, mesmo que contra a vontade do progenitor. Está entre os mais belos quadrinhos que já li.

"Kobane Caling" (Nemo), de Zerocalcare, outro italiano, é um quadrinho improvável: uma história real do próprio quadrinista que rumou para a Síria a fim de tentar entender um pouco da guerra que ainda assola o país. E o que há de improvável nisso? O tom que Zerocalcare emprega à narrativa, misturando os momentos dramáticos inerentes aos conflitos, uma boa humanização dos personagens secundários – muitos deles com uma complexidade admirável, fugindo de caricaturas que costumam acompanhar combatentes -, oportunas contextualizações históricas e, principalmente, doses generosas de humor – quase sempre é o próprio quadrinista que se coloca como motivo de chacota e eu adoro quem sabe rir de si mesmo.

Quer entender a história da China desde que Mao Tsé-Tung assumiu o país, em 1949? Uma boa é começar por "Uma Vida Chinesa", de P. Ôtié e Li Kunwu, graphic novel que em 2014 levou o Prêmio de Excelência do Japan Media Arts Festival e que foi publicada no Brasil pela Martins Fontes em três volumes: "O Tempo do Pai", "O Tempo do Partido" e "O Tempo do Dinheiro". Dentre as muitas passagens que nos colocam para refletir, destaco aquelas que mostram como uma espécie de lavagem cerebral coletiva transformou muitos chineses em carrascos que, tais quais zumbis em busca de cérebros, perseguiam os vizinhos que ousavam discordar do Estado ou questionar as decisões de seus mandatários de ares messiânicos.

Gostou? Você pode me acompanhar também pelo Twitter e pelo Facebook.

Sobre o autor

Rodrigo Casarin é jornalista pós-graduado em Jornalismo Literário. Vive em São Paulo, em meio às estantes com as obras que já leu e às pilhas com os livros dos quais ainda não passou da página 5.

Sobre o blog

O blog Página Cinco fala de livros. Dos clássicos aos últimos sucessos comerciais, dos impressos aos e-books, das obras com letras miúdas, quase ilegíveis, aos balões das histórias em quadrinhos.