PUBLICIDADE
Topo

Página Cinco

Sem amontoado de palavras e menos de 20 páginas: 5 livros para Bolsonaro

Rodrigo Casarin

28/04/2020 15h06

Outro dia ele vociferou contra os didáticos: "Os livros hoje em dia, como regra, é um montão, um amontoado… Muita coisa escrita, tem que suavizar aquilo". Hoje começou a circular um vídeo em que, na porta do Alvorada, volta mostrar problemas com as palavras: "Tem muita coisa que eu assino, que eu leio a ementa apenas. Tem decreto com 20 páginas e às vezes tem um palmo de papel pra assinar ali", disse. Depois completou: "Tem que interpretar também…".

Um dos principais desafios do meu trabalho como jornalista que escreve sobre livros é conseguir indicar obras de acordo com o perfil e o nível de cada leitor. Nem sempre é fácil, mas desafios são bem-vindos. Levando em conta as manifestações acima, resolvi fazer uma listinha com cinco títulos que, acredito, se encaixam no que Jair Bolsonaro, nosso presidente da República, espera de um livro. E se você também sente incômodo diante de obras com mais de vinte páginas preenchidas com palavras, aproveite a relação:

"Animais Bebês – Toque e Sinta: Patinhos", de Tatiana Reiter Bueno (Todolivro) – são meras oito páginas com fotos coloridas e texturizadas de bichinhos que emitem sons. Livro lúdico e sem um amontoado de letrinhas. Só espero que eventuais grasnidos não tragam lembranças negativas.

"Os Três Porquinhos" (Ciranda Cultural) – a clássica história da luta de três bichinhos rosas contra o lobo mau. Em dez páginas, uma chance para aprender um pouco sobre a importância de um trabalho sólido, feito com material de primeira.

"Palavras: 100 Janelinhas Para Aprender" (Yoyo Books) – esse aqui é para começar a perder o medo ao se deparar com coisa escrita. Brincando, o presidente poderá se aproximar de uma centena de palavras, o que não chega a ser exatamente um amontoado. Terá que ter alguma paciência para percorrer as 12 páginas.

"Conhecendo os Sons da Fazenda – Cavalo", de Cristina Klein – Bolsonaro cresceu no interior, perto de animais, então Paulo Freire aprovaria a ideia de tentar aproximá-lo dos livros por meio de um universo familiar. Depois de ler a obra sobre o cavalo, poderá procurar alguma similar sobre o gado. É outro com 12 páginas.

"Cocô no Trono", de Bernoit Charlat – mudança de rotina, aprender a fazer as coisas no lugar certo, entender que os tronos utilizados hoje nada têm a ver com aqueles usados por reis ou imperadores… Aqui o desafio será maior, mas o processo de aprimoramento da leitura funciona mesmo dessa forma: com obstáculos sendo encarados de frente e, com persistência, superados. E Bolsonaro há de conseguir vencer e interpretar as 16 páginas deste livro.

Você pode me acompanhar também pelas redes sociais: Twitter, Facebook, Instagram, Youtube e Spotify.

Sobre o autor

Rodrigo Casarin é jornalista pós-graduado em Jornalismo Literário. Vive em São Paulo, em meio às estantes com as obras que já leu e às pilhas com os livros dos quais ainda não passou da página 5.

Sobre o blog

O blog Página Cinco fala de livros. Dos clássicos aos últimos sucessos comerciais, dos impressos aos e-books, das obras com letras miúdas, quase ilegíveis, aos balões das histórias em quadrinhos.