PUBLICIDADE
Topo

Vinte anos de Harry Potter no Brasil: lembranças entre pedradas e fanatismo

Rodrigo Casarin

15/04/2020 09h48

Me lembro bem. Numa tarde, minha irmã mais velha chegou em casa com um livro e disse algo como: "Andam falando muito dele, está fazendo sucesso no mundo todo". Comprou para ela, mas deixou comigo. Falou que eu poderia ler primeiro. Demorei para engrenar. Achei meio nada a ver aquele papo de moleque trancado dentro do armário. Parei. Retomei. Fui aos poucos. Quando deslanchei, conheci a história que marcaria o final da minha infância e o começo da juventude.

A chegada de Harry Potter ao Brasil, pela Rocco, acaba de completar 20 anos. Devo ter lido o primeiro livro da série pouco depois dele ser publicado por aqui, quando tinha doze anos. Segundo minhas lembranças, tão logo terminei "Harry Potter e a Pedra Filosofal", saí em busca do segundo volume, "Harry Potter e a Câmara Secreta". Encontrei num supermercado do Tucuruvi que mudou trocentas vezes de nome antes de ser colocado abaixo para dar lugar a mais um shopping ou centro comercial, um troço horroroso. Se por acaso a data do lançamento do segundo não bater com o meu registro, me perdoem, memórias são mesmo falhas.

Demorou para que o terceiro livro da série fosse lançado no Brasil. Aproveitei o tempo para reler incessantemente os dois primeiros. Aliás, reler diversas vezes tudo o que havia saído de Harry Potter enquanto aguardava o calhamaço que daria continuação à saga se tornou um ritual de espera. Quando chegou, "Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban" não trouxe apenas o episódio de que mais gosto, mas também colocou no jogo um dos meus personagens favoritos: o misterioso Sirius Black. Dentre meus prediletos, também estão o sábio Alvo Dumbledore e o desengonçado Rúbeo Hagrid, talvez o que mais se assemelhe comigo.

"Harry Potter e o Cálice de Fogo" é, certamente, o maior livro no qual já mergulhei mais de meia dúzia de vezes. Já o quinto, "Harry Potter e a Ordem da Fênix", marca a ruptura. Li, gostei (mais do que o anterior), mas não lembro de ter relido. Houve um intervalo grande até a publicação de "Harry Potter e o Enigma do Príncipe". Quando este chegou nas nossas livrarias, já estava na faculdade e meus interesses eram imensamente diferentes daqueles que tinha aos doze, quando conheci o bruxo. Não li o sexto volume. Também não li o sétimo, "Harry Potter e as Relíquias da Morte". Nem assisti aos filmes. Seja na literatura, seja no cinema, jamais cheguei ao final da história.

Desde então, permanece o carinho pela saga, por Hogwarts, pelas amizades, pelo universo fantástico (por Potter, menos, acho o personagem um saco). Não estou entre os fãs bitolados, aqueles que veem a obra de J. K. Rowling como a melhor coisa já feita na história da arte. Tampouco me alinho com os críticos que apedrejam a obra sem, em muitos casos, sequer conhecê-la com alguma profundidade, seguindo a equivocada linha do "se é popular, não presta". Deve existir um meio-termo nesse embate. No extremo, é inegável que Harry Potter serviu para criar uma geração de leitores e possibilitou que editoras aproveitassem o lucro com o bruxo para apostar em vários autores, o que já é muito.

Fato é: no último ano pensei em reler a história e dar conta dos tomos desconhecidos por mim, mas desisti logo nas primeiras páginas do primeiro livro. Fato também é: adorei ganhar da minha esposa, no último Natal, um roupão e uma touca da Grifinória. Talvez eu não seja mesmo mais leitor de Harry Potter, mas ele segue vivendo num armário bem especial em algum canto do meu imaginário.

Você pode me acompanhar também pelas redes sociais: Twitter, Facebook, Instagram, Youtube e Spotify.

Sobre o autor

Rodrigo Casarin é jornalista pós-graduado em Jornalismo Literário. Vive em São Paulo, em meio às estantes com as obras que já leu e às pilhas com os livros dos quais ainda não passou da página 5.

Sobre o blog

O blog Página Cinco fala de livros. Dos clássicos aos últimos sucessos comerciais, dos impressos aos e-books, das obras com letras miúdas, quase ilegíveis, aos balões das histórias em quadrinhos.

Página Cinco