Topo
Blog Página Cinco

Blog Página Cinco

Fernanda Montenegro, neta de Mandela… o que ver na Virada do Livro em SP

Rodrigo Casarin

03/10/2019 10h33

Fernanda Montenegro, Milton Hatoum, Isabela Figueiredo, Mia Couto, Kalaf Epalanga, Dlamini-Mandela, neta de Nelson Mandela… Algumas atrações bem interessantes fazem parte da programação do Festival Mário de Andrade – A Virada do Livro, que rola entre os dias 4 e 6 de outubro – ou seja, neste final de semana – em São Paulo. O evento contará com oficinas, conversas com autores, espetáculos de rua, saraus e apresentações de teatro, dança e música em palcos espalhados por onze pontos da cidade, em lugares como os centros culturais Tendal da Lapa, Cidade Tiradentes e da Juventude (zonas oeste, leste e norte, respectivamente) e Centro de Culturas Negra, na zona sul.

O grosso da programação, no entanto, estará no centro da cidade, no chamado Corredor do Livro, um trajeto que começa na Biblioteca Mário de Andrade, passa pelo Theatro Municipal e termina na Praça das Artes. No trecho, cem tendas receberão desde as maiores editoras do país até casas pequenas e independentes, livrarias, bancas e diversos coletivos.

Esta é será a primeira edição do Festival, que contará com mais de 150 atividades, todas gratuitas. A abertura da Virada do Livro acontecerá no começo da noite de sexta, dia 4, às 19h, na Praça das Artes, com uma apresentação de "Yebo", espetáculo de dança criado por trabalhadores de minas de ouro e carvão da África do Sul no século 19. Na sequência, o escritor moçambicano Mia Couto baterá um papo com a jornalista, escritora e atriz Bianca Ramoneda – o ator Silvio Restiffe ainda fará intervenções lendo trechos da obra de Mia.

Da programação, as oficinas ministradas na Biblioteca Mário de Andrade merecem especial atenção. Por lá, Angélica Freitas dará aulas de poesia, Ricardo Aleixo, de performance, Socorro Acioli, de contos, e Assis Brasil, de romance – todas acontecem no sábado e no domingo, exceto a de Brasil, que será apenas no domingo. A seguir, outros dos meus destaques do Festival Mário de Andrade – A Virada do Livro (a grade completa está aqui):

Mia Couto.

Dia 4, sexta

Uma Casa Chamada Terra
Com Mia Couto, mediação de Bianca Ramoneda
19h30, Praça das Artes
Vira e mexe o moçambicano Mia Couto, autor de obras como "Terra Sonâmbula", "O Último Voo do Flamingo" e "Um Rio Chamado Tempo, Uma Casa Chamada Terra", está por São Paul. Ainda assim, é sempre bom ter a oportunidade de ouvi-lo falar. Vencedor do Prêmio Camões, o mais badalado da Língua Portuguesa, estará por aqui para conversar sobre a relação do homem com o planeta – vale lembrar, Mia também é biólogo. Eis uma entrevista que fiz com ele há quatro anos.

Amar, Verbo Intransitivo
20h, Biblioteca Mário de Andrade (com repeteco nos dias 5 e 6, no mesmo horário)
Apresentação da peça "Amar, Verbo Intransitivo", dirigida por Dagoberto Feliz e inspirada no romance homônimo de Mário de Andrade. A história, que se passa nos anos 1920, acompanha a iniciação sexual de um jovem de uma tradicional família de São Paulo. No elenco, Luciana Carnielli e Pedro Daher.

Dia 5, sábado

Laços de Família
Com Isabela Figueiredo e Milton Hatoum, mediação de Rita Palmeira
14h, Praça das Artes
Autor de romances como "Dois Irmãos" e "Relatos de um Certo Oriente", Milton Hatoum é um dos principais escritores em atividade no país – aqui uma entrevista que fiz com ele no ano passado. Quem for para acompanhá-lo, poderá se surpreender com a Isabela Figueiredo, portuguesa que nasceu em Moçambique, autora do importantíssimo "Caderno de Memórias Coloniais".

Som e Fúria
Com Kalaf Epalanga, mediação de Adriana Couto
14h, Centro de Culturas Negras
Angolano que vive entre Lisboa e Berlim, Kalaf Epalanga se divide entre a literatura e a música. Aqui, integra a incensada (e pouco atraente aos meus ouvidos) Buraka Som Sistema; ali, é o autor de "Também os Brancos Sabem Dançar". Foi um dos convidados da Flip deste ano.

O Limite da Natureza
Com Ailton Krenak e Berna Reale, mediação de Robinson Borges
19h, Praça das Artes
Já falei isso quando fiz a seleção do que acompanhar na Flip, mas repetirei: o líder indígena Ailton Krenak é uma voa que precisa urgentemente ser ouvida e levada a sério. Eis uma nova oportunidade para quem deseja conhecer esse pensador que há pouco lançou "Ideias Para Adiar o Fim do Mundo" – resenha aqui. No sábado ele conversa sobre como a civilização está se tornando uma ameaça para si mesma com Berna Reale, artista visual que atua na Amazônia.

Ailton Krenak.

Dia 6, domingo

O País Profundo
Com Ailton Krenak e Itamar Vieira Junior, mediação de Rita Mattar
13h, Centro Cultural da Juventude
Perdeu o Krenak no sábado? Pois está aqui outra oportunidade, desta vez num papo com Itamar Vieira Junior, autor de "Torto Arado", vencedor do Prêmio Leya de Literatura.

Prólogo, Ato, Epílogo
Com Fernanda Montenegro e Marta Góes
16h, Theatro Municipal
Há pouco Fernanda Montenegro, prestes a completar 90 anos, lançou "Prólogo, Ato, Epílogo", seu livro de memórias elaborado em parceria com a jornalista Marta Góes. Neste encontro, as duas baterão um papo a respeito da obra e da carreira da atriz. Certamente disputados, os ingressos serão retirados por ordem de chegada.

Coro de Vozes Comuns – Voco
Com Ricardo Aleixo
15h, Praça Dom José Gaspar
Performance do poeta Ricardo Aleixo, que mistura poesia, gestual e algo de música em suas apresentações. Aqui ele será acompanhado por alguns alunos que participarão de sua oficina. O Ricardo é um dos performances que mais gostei de ver atuar.

Tributo a Nelson Mandela
Com Zamaswazi Dlamini e Sahm Venter, mediação de Lilia Schwarcz
19h, Praça das Artes
Para fechar o Festival, a neta de Nelson Mandela, vencedor do Nobel da Paz de 1993, lembra da trajetória de seu avô ao lado de Sahm Venter, responsável pela reunião das correspondências do grande líder sul-africano. O ator Felipe Soares lerá trechos de algumas cartas escritas por Mandela – já comentei o livro que reúne as missivas escritas durante o período da prisão.

Bônus: Escritos na Rede
Com Aureliano Medeiros, Liliane Prata e Ryane Leão
17h, Praça Dom José Gaspar
"Conversa descontraída trata de redes sociais, livro, comportamento e política. Participam do encontro autores atuantes na internet com grande audiência e leitores", informa o texto de apresentação do Festival. Eu que mediarei a mesa, então seria muito cabotino colocá-la ao lado das outras recomendações, mas fica o registro.

Você pode me acompanhar também pelas redes sociais: Twitter, Facebook, Instagram, Youtube e Spotify.

Sobre o autor

Rodrigo Casarin é jornalista pós-graduado em Jornalismo Literário. Vive em São Paulo, em meio às estantes com as obras que já leu e às pilhas com os livros dos quais ainda não passou da página 5.

Sobre o blog

O blog Página Cinco fala de livros. Dos clássicos aos últimos sucessos comerciais, dos impressos aos e-books, das obras com letras miúdas, quase ilegíveis, aos balões das histórias em quadrinhos.