Topo
Blog Página Cinco

Blog Página Cinco

Um livro para despertar nas crianças o espírito da ativista Greta Thunberg

Rodrigo Casarin

01/10/2019 08h13

"Um menino dorme. Há um copo de leite pronto para quando ele acordar. Um rato bebe o leite. O menino, sem ter o leite, chora, assim como chora a mãe".

É dessa forma que começa a fábula "O Rato e a Montanha". O rato não é desses que dá de ombros aos problemas dos outros. Preocupado com o garoto faminto, parte numa jornada para repor o leite que bebera. Só que, pelo caminho, encontra uma enorme cadeia de animais e outros elementos da natureza passando por dificuldades: a cabra não pode dar leite porque não há capim para comer, o capim não brota porque não há água para regar o campo, a água não chega ao campo porque a fonte foi destroçada durante a guerra, o pedreiro não encontra pedras para reparar a fonte porque a montanha havia sido destruída pelos homens….

O rato, persistente, consegue contornar o derradeiro problema e inicia um processo de regeneração de toda a cadeia que havia sido devastada. Ao cabo, "O Rato e a Montanha" é uma bela fábula sobre a importância da mobilização e da preservação do ambiente e dos bens essenciais a diversas formas de vida, assuntos que seguem cada vez mais urgentes, como sabemos. Pensado para os pequenos, é daqueles livros que podem despertar nas crianças o espírito da jovem ativista sueca Greta Thunberg – ou pelo menos fazer com que olhem com atenção para questões relacionadas à natureza, o que também já é grande coisa.

O conto faz parte da tradição oral da Sardenha, uma das principais ilhas da Itália, e foi transcrito pelo filósofo Antonio Gramsci em 1931. Gramsci foi um dos fundadores do Partido Comunista Italiano e, perseguido pelos fascistas, acabou preso em 1926. Da cadeia que colocou a saga do rato num papel, enviou para Giulia, sua companheira, e pediu para que ela lesse a fábula a Delio e Giuliano, filhos do casal. "É uma história típica de uma região devastada pelo desmatamento", registrou Gramsci na correspondência.

A Boitatá, braço infantil da Boitempo, acaba de publicar no Brasil um livro que traz a versão de Gramsci para "O Rato e a Montanha" ilustrada pela catalã Laia Domènech. A tradução do conto infantil de pegada conscientizadora é assinada por Luiz Sérgio Henriques e Thaisa Burani.

Veja algumas ilustrações da obra:

Você pode me acompanhar também pelas redes sociais: Twitter, Facebook, Instagram, Youtube e Spotify.

Sobre o autor

Rodrigo Casarin é jornalista pós-graduado em Jornalismo Literário. Vive em São Paulo, em meio às estantes com as obras que já leu e às pilhas com os livros dos quais ainda não passou da página 5.

Sobre o blog

O blog Página Cinco fala de livros. Dos clássicos aos últimos sucessos comerciais, dos impressos aos e-books, das obras com letras miúdas, quase ilegíveis, aos balões das histórias em quadrinhos.