Topo
Blog Página Cinco

Blog Página Cinco

Ensinar que Machado de Assis era negro também será doutrinação ideológica?

Rodrigo Casarin

07/05/2019 10h56

Estive há duas semanas acompanhando um bate-papo entre uma escritora e um quadrinista com alunos de um colégio público da periferia de Salvador. Em certo momento, a pergunta: quem ali já havia lido algum escritor negro? Dos cerca de 100 estudantes de ensino médio presentes, uns 80 eram negros, estimo. Para minha surpresa, a resposta dada pelos jovens foi um silêncio sepulcral. Tudo bem, a molecada poderia estar um pouco intimidada, poderia não ter prestado atenção nas aulas, poderia ter esquecido dessa informação… Vamos dar esses descontos. Ainda assim, chamou a atenção que nenhum estudante tenha tascado um Machado de Assis, nem que fosse só para impressionar os colegas.

Logo, é mesmo necessária uma campanha como a que a Faculdade Zumbi dos Palmares iniciou neste mês de maio. O movimento Machado de Assis Real recriou uma clássica imagem na qual o autor de "Dom Casmurro" aparece um embranquecido para reaver tanto o tom de pele quanto os traços negros de Machado. "Sua foto oficial, reproduzida até hoje, muda a cor da sua pele, distorce seus traços e rejeita sua verdadeira origem", entende o movimento, que vê a iniciativa como "uma errata histórica feita para impedir que o racismo na literatura seja perpetuado", o que pode "encorajar novos escritores negros" – as palavras estão no manifesto publicado no site da campanha.

Machado de Assis Real convida as pessoas a imprimir essa nova imagem do escritor para colá-la sobre fotos que historicamente buscaram deturpar a verdadeira cor do Bruxo do Cosme Velho. Além disso, a iniciativa está angariando assinaturas para um abaixo-assinado que pede que editoras e livrarias deixem de imprimir, publicar e comercializar livros em que o autor aparece embranquecido. No Instagram, pessoas que aderiram à iniciativa estão compartilhando a nova foto de Machado com a hashtag #MachadodeAssisReal.

Nascido em 1839, Machado viveu boa parte de sua vida numa sociedade escravocrata e precisou ter traquejo para lidar com a profundamente racista elite do país. Olhando para sua literatura, são muitos os que o consideram não apenas o maior de nossos escritores, mas o maior de todos os gênios brasileiros. Daí a importância de se corrigir o racismo histórico e mostrar a todos como Machado realmente era: um gênio negro de biografia complexa, que tanto retratava quanto eventualmente manifestava as condições e contradições da sociedade de sua época.

Se nossa sociedade já reconhecesse amplamente Machado de Assis como um escritor negro, provavelmente o silêncio naquele colégio de Salvador não aconteceria. São grandes as chances de que todos aqueles alunos já tenham ouvido falar sobre o autor de "Memórias Póstumas de Brás Cubas", mas será que o identificam como negro? Só que é capaz de logo aparecer alguém por aí dizendo que ensinar nas escolas que Machado de Assis não era branco se trata de doutrinação ideológica ou qualquer estupidez do tipo.

Você pode me acompanhar também pelo Twitter, pelo Facebook e pelo Instagram.

Sobre o autor

Rodrigo Casarin é jornalista pós-graduado em Jornalismo Literário. Vive em São Paulo, em meio às estantes com as obras que já leu e às pilhas com os livros dos quais ainda não passou da página 5.

Sobre o blog

O blog Página Cinco fala de livros. Dos clássicos aos últimos sucessos comerciais, dos impressos aos e-books, das obras com letras miúdas, quase ilegíveis, aos balões das histórias em quadrinhos.