Topo
Blog Página Cinco

Blog Página Cinco

Holocausto Brasileiro: os horrores do hospital psiquiátrico de Barbacena

Rodrigo Casarin

2019-03-20T19:10:51

19/03/2019 10h51

Crédito das imagens: Luiz Alfredo.

O mal-estar me toma conta só de lembrar da leitura de "Holocausto Brasileiro", de Daniela Arbex, um dos títulos mais brutais a chegar em nossas livrarias na última década. O livro foi lançado em 2013, vendeu mais de 300 mil exemplares no Brasil e em Portugal (um feito, sem dúvidas), levou o APCA de livro-reportagem, ficou em segundo lugar na mesma categoria do Jabuti e foi transformado num documentário lançado em mais de 40 países pela HBO. Publicado pela Intrínseca, agora a obra ganha nova edição, com projeto gráfico repaginado e posfácio de Arbex. Ao longo de suas 280 páginas, a autora investiga as barbáries que aconteceram no Centro Hospitalar Psiquiátrico de Barbacena, hospício onde ao menos 60 mil brasileiros morreram – ou foram mortos, em muitos casos.

Não é exagero utilizar a palavra genocídio para descrever o que acontecia no lugar – também não há excesso em compará-lo com um campo de concentração e extermínio. Fundado em 1903, o hospício conhecido como Colônia se transformou, ao longo das décadas seguintes, mas principalmente entre os anos 1960 e 1980, em um depósito de pessoas indesejadas, muitas delas sem qualquer diagnóstico de problemas mentais. Eram submetidas a condições sub-humanas capazes de revirar o estômago de qualquer leitor que não seja completamente indiferente ao sofrimento alheio.

Privilegiando a história de algumas dessas pessoas ali confinadas, Arbex joga luz a casos como o de Geralda Siqueira Santiago, estuprada aos 14 anos e enviada grávida para o manicômio, e de Celita Maria da Conceição, que, também grávida, lambuzava a própria barriga de fezes para afastar os funcionários do lugar e, desta forma, evitar que eles a induzissem ao indesejável aborto. Em 2014 escrevi uma resenha de "Holocausto Brasileiro" para o jornal Rascunho, eis aqui um trecho daquele texto que ajuda a dar uma boa noção do que encontramos no livro:

Pessoas de cabeças raspadas, anônimas ou chamadas por um nome que não é o seu. Nuas ou cobertas por farrapos. Raquíticas que se alimentam da carne crua dos ratos ou pombas que conseguem apanhar. Bebem água do esgoto ou até mesmo a própria urina. Dormem sobre o capim ou no chão duro. São espancadas, violentadas e eletrocutadas com tanta energia que a rede elétrica da cidade chega a cair. Mulheres grávidas que besuntam suas barrigas com as próprias fezes para que ninguém tenha coragem de lhes tocar, de lhes forçar um aborto. Pouco adianta. Assim que dão à luz, perdem as crias, que são mandadas para qualquer canto longe dali.

Estão todas confinadas, internadas à força. Há quem diga que são loucas, mas cerca de 70% não têm diagnóstico algum. São prostitutas, homossexuais, meninas indesejavelmente grávidas, esposas que perturbavam seus maridos por conta das amantes, alcoólatras, epiléticas, garotas que envergonharam seus pais por terem perdido a virgindade antes do casamento. Algumas são apenas tímidas ou depressivas. Pouco importa. Se estão internadas no maior hospício do Brasil, em Barbacena, Minas Gerais, é porque há motivo para ficarem isoladas da sociedade.

Mas nem tudo é desgraça. Muitos se beneficiam disso. Para começar, os poderosos que se livram de pessoas inconvenientes. Também se beneficia quem de alguma forma tira proveito dos detentos, seja explorando sua mão de obra, seja vendendo corpos dos que ali morrem para faculdades, seja derretendo em ácido (na frente dos internos ainda vivos) os corpos não vendidos, para que possam comercializar as ossadas. Quando o mercado pede algo e as mortes "naturais" andam em baixa, não há pudor em antecipar o dia final de alguns supostos loucos. Basta aumentar um pouco o sofrimento, como deixar que durmam ao frio relento da Serra da Mantiqueira. Enfraquecidos, raramente acordam.

Pelo que podemos saber, essas atrocidades fazem parte somente do passado do Colônia, como era conhecido o hospício de Barbacena. Mas a história do maior manicômio do Brasil, onde mais de 60 mil pessoas morreram, não pode ser esquecida. Parte das barbaridades que lá ocorreram são contadas no livro-reportagem 'Holocausto Brasileiro", escrito pela jornalista Daniela Arbex. Fosse ficção, boa parte do que revela seria inverossímil.

Mantenho essas minhas palavras escritas há cinco anos. No entanto, em um país cada vez mais inverossímil como o nosso, o livro de Arbex segue sendo não só incontornável e extremamente relevante, mas urgente. "Hoje, uma grande parcela da população brasileira já compreende que o atendimento em liberdade é um direito e que é preciso reconhecer a dívida histórica do Estado brasileiro com todos aqueles que tiveram sua dignidade confiscada entre muros hospitalares. E, apesar de o livro ter colocado o tema de volta à agenda pública no país, ainda vivemos sob o risco de retrocesso e de retorno de um modelo que vitimou crianças e adultos, condenando cada um a viver como sombra de si mesmo", escreve a autora no inédito prefácio da edição que chega às livrarias no mesmo momento em que novas diretrizes do Ministério da Saúde ameaçam retomar práticas obscuras e obsoletas para quem sofre de problemas mentais, como os tratamentos com eletrochoque e os próprios manicômios.

Com a barbárie também registrada em muitas fotos, em "Holocausto Brasileiro", mais do que retratar o que aconteceu naquele prédio em Barbacena, Arbex nos dá uma ótima chance para entender muito das relações de poder que vigoram no Brasil e da constituição da nossa própria sociedade.

Você pode me acompanhar também pelo Twitter, pelo Facebook e pelo Instagram.

Sobre o autor

Rodrigo Casarin é jornalista pós-graduado em Jornalismo Literário. Vive em São Paulo, em meio às estantes com as obras que já leu e às pilhas com os livros dos quais ainda não passou da página 5.

Sobre o blog

O blog Página Cinco fala de livros. Dos clássicos aos últimos sucessos comerciais, dos impressos aos e-books, das obras com letras miúdas, quase ilegíveis, aos balões das histórias em quadrinhos.