Topo
Blog Página Cinco

Blog Página Cinco

Ícone do erotismo: editora faz vaquinha para nova edição de HQ de Manara

Rodrigo Casarin

20/11/2018 10h49


Em parceria com a plataforma de financiamento coletivo Catarse, a Mythos Editora está passando o chapéu entre leitores para publicar no Brasil uma nova edição de "O Perfume do Invisível", de Milo Manara, um dos mestres dos quadrinhos eróticos. A meta é levantar R$90 mil até o dia 13 de janeiro; quem quiser participar da vaquinha precisa desembolsar ao menos R$80. Dentre as opções de recompensa que acompanham o livro físico, uma curiosa é o "monóculo bisbilhoteiro", que traz um desenho sensual do artista em um daqueles cones plásticos que permitem observar a imagem quando colocados próximo ao olho e contra a luz.

Publicado originalmente em 1986, "O Perfume do Invisível" é protagonizado por Miele, que, ao entrar no quarto da bailarina Beatrice, encontra um homem com o corpo parcialmente invisível. O sujeito se apresenta como cientista, afirma ter criado a fórmula da invisibilidade e diz querer passar alguns dias oculto ao lado de Beatrice, sua antiga paixão, antes de tornar pública a invenção. No entanto, é com Miele que o personagem acaba tendo um romance.

Para quem conhece o trabalho do artista, é fácil imaginar que a história se desdobra com uma série de momentos de sensualidade, erotismo e pornografia. Nascido na Itália em 1945, Manara se tornou um dos nomes mais importantes da história dos quadrinhos. São de sua autoria grandes trabalhos como "O Clic", "Verão Índio", "Câmara Indiscreta", "El Gaucho", "Revolução", "Bórgia" e "Caravaggio".

Veja algumas páginas de "O Perfume do Invisível" (clique nas imagens para ampliá-las):

Gostou? Você pode me acompanhar também pelo Twitter e pelo Facebook.

Sobre o autor

Rodrigo Casarin é jornalista pós-graduado em Jornalismo Literário. Vive em São Paulo, em meio às estantes com as obras que já leu e às pilhas com os livros dos quais ainda não passou da página 5.

Sobre o blog

O blog Página Cinco fala de livros. Dos clássicos aos últimos sucessos comerciais, dos impressos aos e-books, das obras com letras miúdas, quase ilegíveis, aos balões das histórias em quadrinhos.