Blog Página Cinco

Bob Dylan faz papel de palhaço ao avacalhar o Prêmio Nobel

Rodrigo Casarin

15/06/2017 09h19

No final do ano passado, quando o músico Bob Dylan foi anunciado como o ganhador do Prêmio Nobel de Literatura, olhei para as conexões que existem entre suas composições e a arte feita com as palavras. Outras pessoas, no entanto, foram céticas e apontaram aquela nomeação como estratégia de marketing da Academia Sueca: aproveitariam que o figurão é mais conhecido do que todos os escritores nobelizáveis para atrair atenção à entidade e, principalmente, ao galardão.

Desde então, Dylan mal ligou para a nomeação e chamou a Academia para brincar. Demorou para se manifestar sobre o prêmio, fez mistério se iria aceitá-lo, se ficaria com o dinheiro, se estaria presente na cerimônia de entrega… Graças a tudo isso, dificilmente se passou um mês sem que surgisse alguma notícia espinhosa do Nobel e seu último agraciado, exatamente como previram outrora os mais céticos, aos quais, agora, não tenho como não dar certa razão. E temos indícios suficientes para imaginar que Dylan também encarou a honraria como um golpe publicitário.

O ato mais recente de toda a avacalhação vem da escritora Andrea Pitzer. Ela apontou que diversos trechos da fala que Dylan fez ao receber o Nobel teriam sido retirados de sites com resumos de livros. Há quem acredite, inclusive, que o compositor sequer seria o autor de seu próprio discurso, o que deixa a situação ainda mais medonha. Com toda essa novela, o respeitado e admirável músico assume abertamente o papel de palhaço.

Aos incautos, um palhaço não é apenas alguém que faz besteiras para entreter os outros, mas uma figura que se despe de seu ego para, por meio de gracejos, expor questões e problemas que costumam ser intragáveis quando tratados de forma sisuda. Apenas para ficarmos em um exemplo, algumas das imagens mais emblemáticas que temos de críticas a Adolf Hitler e à sociedade industrial são de palhaçadas interpretadas por Charles Chaplin.

Ou seja, Dylan é o palhaço, mas os ridicularizados são mesmo o Prêmio Nobel de Literatura e a Academia Sueca.

Sobre o autor

Rodrigo Casarin é jornalista pós-graduado em Jornalismo Literário. Vive em São Paulo, em meio às estantes com as obras que já leu e às pilhas com os livros dos quais ainda não passou da página 5.

Sobre o blog

O blog Página Cinco fala de livros. Dos clássicos aos últimos sucessos comerciais, dos impressos aos e-books, das obras com letras miúdas, quase ilegíveis, aos balões das histórias em quadrinhos.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Topo