Blog Página Cinco

Diário de Anne Frank ganha adaptação em HQ e versão pela perspectiva da árvore que a garota observava do esconderijo

Rodrigo Casarin

18/04/2017 13h38

No dia 6 de julho de 1942, Anne Frank e sua família se esconderam em um prédio de Amsterdã. Judeus, tentavam escapar da perseguição nazista que assombrava a Europa. Então com 13 anos, a garota ficou no abrigo até 1944, quando os Franks e as demais pessoas que ali estavam foram descobertas pelo exército de Hitler. Anne foi então enviada para o campo de concentração onde morreria aos 15 anos. Sua história, contudo, ficou eternizada por conta do diário que deixou com anotações sobre o cotidiano no esconderijo.

O pai de Anne sobreviveu à caça aos judeus e, após a guerra, incumbiu-se de divulgar os registros da filha. “O Diário de Anne Frank” foi traduzido para mais de 60 idiomas e se tornou um dos livros mais importantes do século 20, com sua autora sendo alçada à condição de ícone. Ainda hoje, a obra que registra o sofrimento, as dúvidas e aflições de uma adolescente que sonha com a liberdade em meio à tentativa de sobreviver em uma guerra aparece em listas dos mais vendidos e serve de inspiração para que artistas recontem tal história. É esse o caso de dois volumes que chegaram há pouco nas livrarias brasileiras: “O Diário de Anne Frank em Quadrinhos”, da mineira Mirella Spinelli, e “A Árvore no Quintal”, dos norte-americanos Jeff Gottesfeld e Peter McCarty.

Publicado pela Nemo, o primeiro título, como o próprio nome entrega, é uma adaptação em HQ da história da garota, seus familiares e colegas de abrigo. Mirella conta que a primeira vez que leu o clássico também tinha por volta de seus 14 anos, tal qual Anne, e ficou profundamente tocada com a trágica experiência vivida pela família Frank. “Os horrores da guerra, os sofrimentos impostos aos judeus, a luta pela sobrevivência a cada dia, me foram apresentados através do olhar sensível daquela menina”, diz em entrevista ao blog.

Mais tarde, ao revisitar o diário, notou elementos que tinham passado desapercebidos na primeira leitura e passou a ver a guerra como um fator secundário, focando agora principalmente nas análises “bem-humoradas e inteligentes” que Anne fazia da vida no esconderijo, o que motivou Mirella a fazer sua releitura em quadrinhos.

“As esperanças, os sonhos, mas também os medos, os anseios, as angústias, os conflitos normais de uma menina que ‘amadureceu’ à força sem nunca perder a confiança nos seres humanos me tocaram de maneira especial. Outra peculiaridade revelada no texto é a admirável resistência daquelas pessoas que, mesmo vivendo aquela situação complexa, mantiveram a dignidade e não se curvaram diante das dificuldades impostas. Por tudo isso, o texto do ‘O Diário de Anne Frank’ se mantém extremamente atual, pois fala da natureza humana tanto no que tem de pior quanto de mais sublime”, afirma a autora.

Veja algumas páginas da HQ:

A história pela perspectiva de uma árvore

Já o outro livro traz uma visão no mínimo inusitada para a história. Publicado pela Galera Junior, o infantil “A Árvore no Quintal” narra o cotidiano de Anne no abrigo pela perspectiva do castanheiro-da-índia que a garota podia observar da janela do prédio onde se escondia – ela fala dele no diário, inclusive.

Na obra, a árvore que viveu por 172 anos – morreu ao ser atingida por um raio em 2010 – é retratada como uma silenciosa e atenciosa observadora de tudo o que acontecia no abrigo. Depois que a garota é levada pelos nazistas, a planta passa anos esperando pelo retorno daquela que já considerava uma amiga. O tom melancólico da narrativa criada por Gottesfeld é potencializado pelas ilustrações em sépia feitas por McCarty.

“Sabia que trabalhar com a história de Anne seria lidar com algo quase sagrado. Não havia razão para escrever sobre ela a menos que eu pudesse trazer algo novo, diferente”, conta Gottesfeld, que conheceu a existência castanheiro-da-índia após ler uma reportagem no New York Times. “A árvore para mim simboliza a continuidade, a inocência e até mesmo a infância. Ela podia observar Anne com certa ingenuidade, mas não podia lhe fazer nada, como tantas crianças podem observar as coisas, mas somente isso – em tempos de guerra, o protagonismo é dos adultos. Além disso, havia algo pessoal nesta história para mim. Quando eu visitei o esconderijo, a árvore ainda estava viva. Eu vi o que Anne viu, jamais esqueci isso”.

Aqui algumas ilustrações de “A Árvore no Quintal”:

Sobre o autor

Rodrigo Casarin é jornalista pós-graduado em Jornalismo Literário. Vive em São Paulo, em meio às estantes com as obras que já leu e às pilhas com os livros dos quais ainda não passou da página 5.

Sobre o blog

O blog Página Cinco fala de livros. Dos clássicos aos últimos sucessos comerciais, dos impressos aos e-books, das obras com letras miúdas, quase ilegíveis, aos balões das histórias em quadrinhos.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Topo