Blog Página Cinco

Esquecido até alguns anos atrás, John Williams é um escritor obrigatório para quem curte boas histórias

Rodrigo Casarin

11/02/2017 10h44

 

williams

Em 1965 o norte-americano John Williams lançou “Stoner”. Apesar do romance ter recebido alguma atenção do público e da crítica, logo foi esquecido. Somente em 2006, 12 anos após a morte do autor, que voltamos a ouvir falar do livro, isso graças a uma reedição lançada pela New York Review Books. Desta vez, no entanto, o trabalho fez um barulho que jamais havia feito. O sucesso veio com elogios de gente como Ian McEwan, Julian Barnes, Nick Hornby e até Tom Hanks. O título passou então a ser traduzido para outras línguas e estimativas dão conta de que já vendeu mais de um milhão de exemplares pelo mundo.

Desde que “Stoner” saiu no Brasil, em 2015, pela Rádio Londres, o nome do autor começou a ser incensado também por aqui. Sim, demorei um tanto para lê-lo, mas, finalmente, no começo deste ano, resolvi encarar tanto o livro que projetou Williams mais de uma década após sua morte quanto “Butcher’s Crossing”, publicado originalmente em 1960 e lançado no país 2016 pela mesma Rádio Londres. E já adianto: toda a exaltação condiz mesmo com a qualidade do texto do escritor.

Em “Stoner” acompanhamos a vida de William Stoner, que, depois de crescer em uma fazenda, entra na Universidade de Missouri aos 19 anos, em 1910. A história se concentra nos passos pouco interessantes de um estudante um tanto perdido com as novidades acadêmicas e que, com o tempo, torna-se um professor universitário medíocre.

Apesar de não ter um enredo deslumbrante – longe disso, aliás –, impressiona a composição do personagem e como as pequenas intrigas cotidianas conseguem deixar o leitor agarrado à narrativa. Stoner é o tipo de pessoa que parece nunca conseguir tomar as rédeas da própria vida. No amor, prende-se amargamente à primeira paixão que lhe surge, na profissão, sai de uma quase insignificância e prontamente começa a se desentender com colegas. Quando finalmente resolve exercer algum protagonismo em sua história, logo tudo se vira contra a sua ação e ele precisa retornar às sombras. “Stoner” é um retrato triste e melancólico da existência de pessoas que são apenas levadas pelas circunstâncias que as cercam.

williams_livros

Já o tom de “Butcher’s Crossing” é completamente diferente. Aqui temos Will Andrews, jovem de 23 anos que larga o curso de Direito em Harvard e, na década de 1870, viaja para um minúsculo povoado no Kansas. No vilarejo que ele conhece o solícito e beberrão Charley Hoge, o pragmático e mercenário Fred Schneider e o corajoso e autoritário Miller, que se tornam seus parceiros em um longa viagem para caçar búfalos e esfolar suas peles, um bem extremamente valioso naquela época.

Em “Butcher’s Crossing”, Williams apresenta novamente grandes personagens – Miller, o mais interessante de todos eles, é um grande exemplo, tanto positivo quanto negativo, de liderança – e uma história que demora um pouco para deslanchar, mas, quando engrena, compensa cada segundo investido pelo leitor. O que era para ser uma marcha de conhecimento para um e de realização pessoal, profissional e financeira para os outros, torna-se uma aventura marcada pelos extremos da vida natural.

Quando li, pensei nos fãs do filme “Na Natureza Selvagem”: se gostaram do longa de Sean Penn, provavelmente gostarão ainda mais de “Butcher’s Crossing”. E valem dois alerta: as matanças dos búfalos são de uma tristeza imensa e a cena do quarteto tentando cruzar um rio no final da aventura, com a carroça carregada, é uma das mais marcantes que já me deparei em um livro.

Cada um à sua maneira, tanto “Stoner” quanto “Butcher’s Crossing” são narrativas incontornáveis para quem gosta de literatura e de uma boa história. Ótimo que essas preciosidades tenham sido resgatadas do ostracismo.

Sobre o autor

Rodrigo Casarin é jornalista pós-graduado em Jornalismo Literário. Vive em São Paulo, em meio às estantes com as obras que já leu e às pilhas com os livros dos quais ainda não passou da página 5.

Sobre o blog

O blog Página Cinco fala de livros. Dos clássicos aos últimos sucessos comerciais, dos impressos aos e-books, das obras com letras miúdas, quase ilegíveis, aos balões das histórias em quadrinhos.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Topo