Topo
Blog Página Cinco

Blog Página Cinco

Finalista do Jabuti, livro retrata a importância do Mais Médicos pelo país

Rodrigo Casarin

15/11/2018 11h23

Faz exatamente um ano que publiquei uma matéria sobre o livro "Branco Vivo" (Elefante), do escritor Antonio Lino, que viajou pelo Brasil entre agosto de 2015 e junho de 2016 para acompanhar a atividade de 12 doutores que integravam o Programa Mais Médicos. Passando por quilombolas, assentamentos rurais, comunidades isoladas e periferias de grandes cidades, Lino se deparou com histórias como a de Dona Jovina, uma moradora de São Francisco do Guaporé, em Rondônia, perto da fronteira com a Bolívia.

Dona Jovina tinha uma ferida feia em seu tornozelo que aparentava ser incurável, pensava que era fruto de macumba de algum desafeto, e já tinha até desistido de tratá-la. Alguma esperança só surgiu quando um médico cubano chegou à carente região e passou a atendê-la (simbólico, não?). Aos poucos a úlcera começou a melhorar, mas, quando já estava quase fechada, uma galinha bicou o pé da senhora, rompendo a veia e complicando novamente o tratamento.

Revelar histórias como essa já mostram o valor de "Branco Vivo". No entanto, dois fatos recentes tornam o trabalho de Lino ainda mais relevante. O primeiro foi a indicação para a final do Prêmio Jabuti na categoria Crônicas. O segundo – e mais importante – foi o anúncio de que Cuba retirará do país milhares de profissionais que atuam por aqui justamente no Programa Mais Médicos. Para entender melhor a importância e o impacto de um projeto como esse, as crônicas de Lino são primordiais.

Deixo aqui o post que escrevi há exato um ano, que incluí algumas palavras que troquei com o autor:

Gostou? Você pode me acompanhar também pelo Twitter e pelo Facebook.

Viajante roda o país e se depara até com veia rompida por bicada de galinha

Dona Jovina já tinha até desistido de tratar a ferida bastante feia que abrira em seu tornozelo, pensava que aquele machucado pelo visto incurável era resultado de macumba de algum desafeto. Quando um dos médicos cubanos que foram trabalhar em São Francisco Guaporé, em Rondônia, perto da fronteira com a Bolívia, começou a atender Dona Jovina, certa esperança: aos poucos a úlcera começou a melhorar. No entanto, quando já estava quase fechada, uma galinha bicou o pé da senhora e a veia rompeu, colocando quase todo o trabalho a perder.

Essa foi uma das histórias com as quais Antonio Lino se deparou ao viajar pelo Brasil ao longo de um ano, entre agosto de 2015 e junho de 2016. Passando por aldeias indígenas no Pará, pelos pampas do Rio Grande do Sul, pelo sertão da Paraíba, por vila de pescadores no Rio Grande do Norte e pelas periferias de Manaus e São Paulo, dentre alguns outros rincões, Lino presenciou a atividade de 12 doutores que integraram o Programa Mais Médicos (quem custeou toda a viagem que passou por nove destinos foi Ministério da Saúde). O resultado dessa incursão pelo Brasil está no livro "Branco Vivo" (Elefante), que, mais do que um registro do trabalho dos médicos, é um significativo olhar sobre o Brasil dos quilombolas ou dos assentamentos rurais, que muitas vezes estão distantes do imaginário de quem habita as grandes cidades.

"Rodei sozinho, ao longo de um ano, numa série de viagens intermitentes. O principal critério foi a diversidade, a tentativa de compor um mosaico de sotaques, bem modesto diante da nossa riqueza cultural, mas que de alguma forma revelasse brasis e brasilidades que costumam estar fora do radar geral", diz Antonio ao blog.

Dentre as boas surpresas da viagem, destaca encontros com pessoas como Dona Zefa, uma rezadeira e parteira cheia de histórias do sertão do Sergipe. "Nem sempre os médicos são protagonistas dos relatos. Embora o mote do livro seja esse, a ideia era revelar o contexto em que trabalham os profissionais de saúde", argumenta. "Nesse sentido, ter conhecido de perto a situação de povos indígenas afetados pela construção da usina de Belo Monte, no Pará, foi muito marcante para mim. O livro mistura esses tons: ora o encanto com pessoas que tive a oportunidade de conhecer, ora o desencanto diante dos caminhos do país", continua.

Essa não foi a primeira vez que Antonio, um assumido "urbanoide" paulistano, fez uma grande excursão pelo país. Com gosto pelos "cafundós" e uma "necessidade renitente" de colocar seu olhar à prova, ver paisagens diferentes e encontrar pessoas que não conheceria sem colocar o pé na estrada, que lhe ofereçam "perspectivas diferentes sobre a vida" e sobre o país, já tinha rodado mais de trinta mil quilômetros em 15 meses com uma Kombi. Da experiência nasceu outro livro, "Encaramujado", lançado em 2011.

Comparando as duas viagens, diz que desta vez descobriu que os "verdadeiros cafundós" do Brasil ficam muito além de onde já tinha ido. "Em Rondônia, por exemplo, para chegar a uma comunidade quilombola na fronteira com a Bolívia, depois de cinco horas de voo até Porto Velho, viajei mais oito horas de carro antes de pegar uma 'ambulancha' e enfrentar mais quatro horas de rio. No Rio Grande do Sul visitei um assentamento rural a duas horas do centro de um município no meio da campanha gaúcha. No Vale do Jequitinhonha, a mesma coisa: só o pó das vicinais".

Além do texto de Lino, "Branco Vivo" conta com um álbum de fotos tiradas por Araquém Alcântara, um dos principais nomes da fotografia do país, que também acompanhou o trabalho feito por doutores do Programa Mais Médicos em um projeto paralelo ao do escritor. "Quando eu comecei as minhas viagens, o trabalho dele já estava concluído. Depois nos conhecemos e ele generosamente cedeu algumas fotografias para o livro", explica Lino. Algumas das fotos de Araquém presentes na obra ilustram esta matéria, a única exceção é a imagem colorida.

Sobre o autor

Rodrigo Casarin é jornalista pós-graduado em Jornalismo Literário. Vive em São Paulo, em meio às estantes com as obras que já leu e às pilhas com os livros dos quais ainda não passou da página 5.

Sobre o blog

O blog Página Cinco fala de livros. Dos clássicos aos últimos sucessos comerciais, dos impressos aos e-books, das obras com letras miúdas, quase ilegíveis, aos balões das histórias em quadrinhos.