Blog Página Cinco

Mito do horror criado por Lovecraft, monstro Cthulhu ganha versões feitas por quadrinistas brasileiros

Rodrigo Casarin

14/04/2017 16h20

“Parecia uma espécie de monstro, ou símbolo representando um monstro, cuja forma só poderia ter sido concebida por uma fantasia mórbida. Se digo que minha imaginação um tanto extravagante forjou imagens simultâneas de um polvo, um dragão e uma caricatura humana, não estarei sendo infiel ao espírito da coisa. Uma cabeça carnuda e tentaculada coroava um corpo grotesco, coberto de escamas, com asas rudimentares, mas era o contorno geral do conjunto que o tornava mais aterrorizante. Por trás da figura havia a vaga sugestão de uma paisagem arquitetônica ciclópica”.

É essa a descrição que o escritor norte-americano H.P. Lovecraft imagina para o monstrengo que criou no conto “O Chamado de Cthulhu”, publicado em 1928. Com o tempo, tanto o texto quanto a criatura se tornaram clássicos do horror e foram responsáveis por ajudar a eternizar o nome do criador.

Cthulhu, uma entidade cósmica que representa um mal ancestral e que perturba o inconsciente coletivo da espécie humana, ainda foi alçado à condição de mito. Virou música pelas notas do Metallica e do DJ Deadmau5, apareceu em jogos como “Heroes of Newerth” e “Call of Duty: Black Ops 3” e já fez ponta até no desenho animado “South Park”.

Agora o adorado bicho ganhou versões pensadas por quadrinistas brasileiros. Em “O Despertas do Cthulhu em Quadrinhos”, organizado por Raphael Fernandes e publicado pela Draco, um time de roteiristas e desenhistas imagina oito histórias originais, com estilos díspares, para o monstro, algumas delas claramente ambientadas no Brasil e todas coloridas somente em preto e verde – tons marcantes no conto de Lovecraft. Além de Fernandes e João Pirolla, o autor da capa, ainda assinam a publicação Antonio Tadeu, Lucas Chewie, Dudu Torres, Airton Marinho, Fabrício Bohrer, Caiuã Araújo, Marcio de Castro, Daniel Bretas, Jun Sugiyama, Hilton P. Rocha, Samuel Bono, Lucas Pereira, Bárbara Garcia e Elias Aquino.

Veja algumas páginas de “O Despertas do Cthulhu em Quadrinhos” (clique nas imagens para ampliá-las):

Sobre o autor

Rodrigo Casarin é jornalista pós-graduado em Jornalismo Literário. Vive em São Paulo, em meio às estantes com as obras que já leu e às pilhas com os livros dos quais ainda não passou da página 5.

Sobre o blog

O blog Página Cinco fala de livros. Dos clássicos aos últimos sucessos comerciais, dos impressos aos e-books, das obras com letras miúdas, quase ilegíveis, aos balões das histórias em quadrinhos.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Topo