Blog Página Cinco

Nazistas tinham campo de concentração exclusivo para mulheres: Ravensbrück, onde Olga Benário Prestes ficou presa

Rodrigo Casarin

13/04/2017 11h32

Francesa resgatada de Ravensbrück pela Cruz Vermelha em maio de 1945.

“Assim como Auschwitz foi a capital do crime contra os judeus, Ravensbrück foi a capital dos crimes contra as mulheres”.

Quem faz a afirmação é Sarah Helm, jornalista e escritora que em 2015 publicou “Ravensbrück”, tijolo de 924 páginas que agora sai no Brasil pela Record. Na obra ela reconstrói a história do campo de concentração para onde os nazistas mandavam as mulheres que consideravam “criaturas inferiores”: ciganas, inimigas políticas, doentes mentais, deficientes, certas estrangeiras, marginais… enfim, qualquer coisa que fugisse do tal ideal ariano. Dentre as enviadas para Ravensbrück estavam algumas moças renomadas, como Geneviève, sobrinha do general De Gaulle, que comandou o exército francês na Segunda Guerra Mundial, e Gemma La Guardia Gluck, irmã do prefeito à frente de Nova Iorque no período do conflito.

O que passavam por lá? A triste realidade de todos os outros campos de extermínio: condições mínimas de sobrevivência, sem qualquer tipo de dignidade, com o cotidiano marcado pela comida parca, torturas e o extenuante trabalho forçado – no caso em indústrias da Siemens. Não bastasse, os estupros eram corriqueiros e algumas ainda eram selecionadas como cobaias de experimentos médicos, enquanto muitas eram executadas de maneira totalmente aleatória – a estimativa é que ali entre 30 e 90 mil pessoas tenham sido aniquiladas, sendo que o número mais provável seja uma média dos dois extremos.

Visita de Himmler a Ravensbrück em 1940.

Militante comunista ajudou polícia nazista

Outra renomada enviada para tal campo, esta familiar aos brasileiros, foi Olga Benário Prestes, alemã de origem judia, militante comunista que foi companheira de Luís Carlos Prestes. Depois de ser presa no Brasil acusada de promover revoltas contra Getúlio Vargas, a deportaram para seu país natal, onde seria assassinada pelos nazistas em 1942, em Bernburg. Olga foi mandada a Ravensbrück em 1939, depois de passar pelo campo de Lichtenburg.

“Aos domingos, quando a vigilância da SS afrouxava, as camaradas de Olga se reúnem para escrever cartas e conversar sobre suas famílias. Rosa, uma costureira, não sabe escrever, e Olga e outras escrevem por ela, e Rosa devolve o favor ensinando-lhes a coses papéis velhos nas roupas para espantar o frio. Olga mostra as cartas de Prestes e elas discutem as ideias dele sobre filosofia e sobre o que ela deve responder. E falam de Anita [filha de Olga com Luís Carlos]. Todas concordam que Anita deve fazer parte de um coletivo o mais cedo possível. Olga escreve: ‘É importante para o seu caráter. Alguém aqui do campo diz isso”, registra Sarah, que dedica um bom espaço da obra para a história de Olga. Segundo a autora, a comunista se tornou uma Blockova no campo, uma mulher que ajudava a polícia nazista em seu serviço e, por isso, tinha algumas regalias.

Para escrever o livro, a autora ouviu testemunhos de sobreviventes e fez uma extensa pesquisa in loco para entender as etapas do horror em Ravensbrück. Diferente de outros campos, muitos transformados até em atração turística, o centro dedicado às mulheres permanece até hoje um tanto desconhecido. Projetado por Heinrich Himmler, um dos principais líderes nazistas, ele fica a cerca de 80 quilômetros ao norte de Berlim, em uma área de difícil acesso, à beira de um lago e cercado pela floresta. Por que a escolha por aquele terreno? O sórdido Himmler apreciava levantar os centros de barbárie em áreas de grande beleza natural.

Corpos fotografados em Ravensbrück por Hanka Housková pouco depois da fuga da SS, em 29 de abril de 1945.

Guarda nazista que trabalhou em Ravensbrück e registrou atrás desta que aquele foi um “tempo maravilhoso”.

O campo de Ravensbrück.

Sobre o autor

Rodrigo Casarin é jornalista pós-graduado em Jornalismo Literário. Vive em São Paulo, em meio às estantes com as obras que já leu e às pilhas com os livros dos quais ainda não passou da página 5.

Sobre o blog

O blog Página Cinco fala de livros. Dos clássicos aos últimos sucessos comerciais, dos impressos aos e-books, das obras com letras miúdas, quase ilegíveis, aos balões das histórias em quadrinhos.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Topo