Blog Página Cinco

Callado “mexeu com o fogo” e “soltou os cães” contra a ditadura, diz Ignácio de Loyola Brandão sobre Quarup

Rodrigo Casarin

quarup_capa

“Quem não viveu aquela época entende pouco o impacto que ‘Quarup’ provocou. Publicado em plena ditadura, escrito na linguagem rigorosa de Callado, um jornalista que tinha informação e estilo, um romancista que era exigente, Callado soltou os cães, esbravejou. Falar de ditadura, repressão, tortura, assassinatos, clandestinidade, luta armada, era mexer com fogo. Podia ser preso, morto, torturado, desaparecer. O escritor desmascarou todo o sistema, juntou épocas, Getúlio, Lacerda, militares, tudo e todos, era tudo farinha do mesmo saco. A qualquer momento sua porta era arrombada e a morte entrava. Prendia-se pelo menor motivo. Sabia-se destas coisas principalmente os da mídia, mas não podiam falar”.

É dessa forma que o jornalista e escritor Ignácio de Loyola Brandão recorda do colega de profissão e romancista Antonio Callado, que, se vivo, completaria 100 anos hoje, e de sua obra-prima: “Quarup”. A obra foi lançada em 1967 e se tornou um dos livros mais importantes não apenas daquela década, mas da história da literatura nacional, a ponto de, para o escritor Alberto Mussa, transformar-se em algo tão grande que ofusca seu próprio autor – veja mais aqui.

Levada ao cinema em 1989 por Ruy Guerra, a narrativa transcorre entre o suicídio de Getúlio Vargas, em 1954, e o golpe militar de 1964. Nela, nos deparamos com Nando, um jovem padre com conflitos existenciais que busca explicações para a vida em uma viagem rumo ao Xingu para trabalhar com tribos indígenas. Por lá, além de se deparar com a natureza, também tem contato com diversos prazeres da vida, muitos deles coibidos pela igreja.

CENTENÁRIO DE ANTONIO CALLADO: SUA OBRA É UMA FORMA DE CONHECER O BRASIL, AFIRMA VIÚVA DO AUTOR

Mais adiante, após a ditadura ser instaurada no país, Nando é preso por trabalhar com a alfabetização de adultos, atividade vista como subversiva pelos militares. Dos novos conflitos que isso lhe traz, ao cabo, enfim, resolve pegar em armas para lutar contra a situação que o país se encontrava.

“Callado condensou tudo em um livro admirável pela humanidade de Nando, pela coragem, pela dificuldade de amor em uma época violenta. Callado o que fez em ‘Quarup’? Mandou uma mensagem a todos nós escritores. Vamos falar, mostrar o que acontece, vamos contar, contar livremente é a função de um escritor. E ele contou, colocou o dedo na ferida, remexeu. Numa linguagem impecável. Abriu caminho para todos de minha geração. Eu o admirava, respeitava ficava orgulhoso de ser amigo dela, de ser contemporâneo. Nem parecia que tinha 20 anos mais do que eu, dava a sensação de sermos da mesma idade”, continua Ignácio.

Quem também já se debruçou sobre o livro é Francisco Venceslau dos Santos, doutor em Teoria da Literatura. No artigo “Quarup: Literatura e Ritual”, ele lembra que a palavra quarup, na cultura do Alto Xingu, significa um “mito das origens, uma celebração dos ancestrais e um rito de ressurreição”.

Aprofundando-se em sua análise, o doutor classifica a obra como um “romance pós-moderno” que “recicla narrativas míticas e históricas, e fontes temáticas que construíram a imagem negativa do país como uma nação de preguiçosos, doentes, e ao mesmo tempo elabora uma imagem otimista de constante invenção do Brasil. Este romance dos anos 60 emerge como voz do Terceiro Mundo – a fala simbólica do pós-colonizado – liberação de energias, cintilações de otimismo e frustração diante do novo cenário que se desenrolava no horizonte. Vivia-se o período em que o discurso pós-colonial se articulava com as falas emancipadoras do Primeiro Mundo – em que estudantes e intelectuais se revoltavam contra paradigmas teóricos e políticos anacrônicos”.

DOCUMENTÁRIO SOBRE CALLADO SAIRÁ NO 2º SEMESTRE. PARA DIRETORA, QUARUP NORTEOU UMA GERAÇÃO

Leia um trecho de “Quarup”:

“Nando voltou com uma paste em que enfiara os remédios, a garrafa térmica de café e o pão. Desinfetou e atou a mão ferida enquanto Levindo, muito branco, desviava o olhar para não assistir ao curativo. Depois Levindo mordeu com fome o pão e tomou grandes sorvos de café. Ficou de rosto rosado, de olhos brilhantes e Nando, por um momento, mergulhou por completo no enlevo de ver a vida animando de novo a cara daquele quase menino ainda. Enlevo de pouca duração porque Levindo de pronto tirou um cigarro do bolso e o acendeu cantarolando uma música popular. O fumo, a música, a caveira com a nódoa de sangue eram uma espécie de representação palpável das distrações inimigas dos místicos. Levindo deu uma tragada funda e espalhou uma nuvem de fumaça pelos esqueletos e pelo Cristo”.

Sobre o autor

Rodrigo Casarin é jornalista pós-graduado em Jornalismo Literário. Vive em São Paulo, em meio às estantes com as obras que já leu e às pilhas com os livros dos quais ainda não passou da página 5.

Sobre o blog

O blog Página Cinco fala de livros. Dos clássicos aos últimos sucessos comerciais, dos impressos aos e-books, das obras com letras miúdas, quase ilegíveis, aos balões das histórias em quadrinhos.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Topo