Blog Página Cinco

Livro de Donald Trump mostra Estados Unidos como o inferno na Terra

Rodrigo Casarin

 

trump

Na véspera de Donald Trump assumir a Casa Branca, resolvi dar uma lida em um de seus livros. Aleatoriamente, peguei “América Debilitada: Como Tornar a América Grande Outra Vez”, de 2015, que saiu no Brasil no ano passado pela CDG Edições e Publicações. Não sei se é por estar no papel, mas o discurso de Trump, apesar de ser coerente com o que ele costuma declarar por aí, assustou-me ainda mais.

Esbravejador, a ira de Trump só dá trégua quando fala de si. Parece que o próximo presidente dos Estados Unidos está permanentemente à beira de um infarto, tamanha a sua raiva, e a impressão que passa é que assumirá um dos países mais caóticos do mundo.

“Os imigrantes ilegais ocuparam empregos que deveriam ser destinados à nossa população legal, enquanto mais de 20% dos americanos estão atualmente desempregados ou em subempregos. O congresso está num beco sem saída há anos e é virtualmente incapaz de lidar com qualquer um dos nossos problemas domésticos mais urgentes. Enquanto isso, o alicerce deste país – a classe média – e aqueles 45 milhões de presos à pobreza têm visto sua renda declinar nos últimos 20 anos. E até nossos advogados e juízes, os ‘sábios’ pensativos, têm pisado na Constituição americana, o baluarte de nossa democracia. Quanto à presidência e ao setor executivo, a incompetência está além da imaginação”, escreve.

Ainda brada contra políticos (que “iludem amplamente com suas falas e campanhas”), lobistas (“com as mãos em nossos bolsos em nome de seus clientes”) e mídia (“que estão tão perdidos no que se refere à justiça que não têm nenhum conceito sobre a diferença entre ‘fato’ e ‘opinião’”). Escreve como se ele mesmo não fosse um político que se utilizou amplamente de notícias falsas e distorções da mídia durante a campanha e que possui diversos conflitos de interesse entre a posição que ocupará a partir de amanhã e as empresas das quais é dono.

Trump também se volta para questões internacionais, claro. Acusa Vladimir Putin de passar a perna em Obama em intervenções na Síria, o que levaria o russo a se tornar efetivamente o único líder mundial. Queixa-se de “trilhões de dólares” gastos no Oriente Médio sem que as iniciativas tenham resultado em algo palpável a não ser “a alienação de nosso melhor aliado, Israel”. E ataca o acordo de paz que os Estados Unidos firmou com o Irã no que se refere a armas nucleares. “O Conceito da grandeza americana, de nosso país como líder do mundo livre e a ser liberto, desapareceu”, queixa-se.

trump capa

O futuro presidente dos Estados Unidos cria um cenário apocalíptico para propositalmente se apresentar como, aparentemente, a única solução possível, o salvador da nação. “Não consegui ficar parado a ver o que estava ocorrendo ao nosso maravilhoso país. Esse caos pede por liderança do pior modo possível. Necessita de alguém com bom senso e perspicácia nos negócios, uma pessoa que possa realmente reconduzir a América ao que nos fazia poderosos no passado […]. O que precisamos é de uma liderança que consiga lidar com essa bagunça e comece a aplicar soluções práticas a nossos problemas”.

O mais preocupante, como ele mesmo sabe – tanto que registra isso no escrito e se aproveitou formidavelmente disso na corrida presidencial – é que seu discurso costuma ser bem recebido por parte significativa e estridente da população. As palavras de Trump são semelhantes às utilizadas por qualquer ser totalitário – que muitas vezes descamba em um ditador – que visa o poder. O “outro” como um problema, o nacionalismo exacerbado, a certeza de que sua nação é superior e a convicção de que ele é o único honesto e competente em um mar de lama lembram o discurso de certo governante que assumiu a Alemanha em 1933. Sim, em diversos momentos ler “América Debilitada” me remeteu à leitura de “Minha Luta”, de Adolf Hitler.

E o próximo presidente dos Estados Unidos faz questão de mostrar que está mesmo querendo todas as brigas. A capa de “América Debilitada” traz um Trump raivoso, enfurecido, escolha que ele mesmo justifica. “Estamos falando da ‘América Debilitada’. Infelizmente, há bem poucas coisas bacanas sobre o nosso país. Assim, queria uma fotografia que refletisse a fúria e a insatisfação que eu sentia. Não estamos em uma situação de regozijo nesse momento. Estamos numa situação em que temos de voltar ao trabalho para tornar a América grande outra vez”.

Sim, há razões para temer.

Sobre o autor

Rodrigo Casarin é jornalista pós-graduado em Jornalismo Literário. Vive em São Paulo, em meio às estantes com as obras que já leu e às pilhas com os livros dos quais ainda não passou da página 5.

Sobre o blog

O blog Página Cinco fala de livros. Dos clássicos aos últimos sucessos comerciais, dos impressos aos e-books, das obras com letras miúdas, quase ilegíveis, aos balões das histórias em quadrinhos.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Página Cinco
Topo